Prefeitura auxilia projeto experimental da IFMS que integra lavoura com floresta

Com a finalidade de implantar experimentalmente um sistema agroflorestal didático numa área do IFMS Campus de Nova Andradina, a professora de Agronomia, Karina Renostro Ducatti, buscou a Prefeitura Municipal e o SEBRAE para propor uma parceria.

O objetivo é gerar tecnologia produtiva de base agroecológica para recuperação de áreas, garantir a diversidade de culturas e mais segurança econômica aos pequenos produtores rurais dos assentamentos.

A primeira reunião aconteceu nesta quinta-feira (8), com a presença do secretário de meio ambiente e desenvolvimento integrado, Hernandes Ortiz, representantes das instituições parceiras e da Associação do assentamento Santa Olga. 

Segundo a professora Karina Ducatti, uma área de 1600 metros quadrados do campus será utilizada para o desenvolvimento do projeto experimental que irá integrar o plantio de mudas frutíferas nativas da região, como a guavira, com hortaliças e grãos. A ideia é misturar várias espécies de plantas, hortaliças com diferentes ciclos de vida e tempo de colheita como milho, feijão e mandioca, e as frutíferas como abacaxi, banana, mamão, limão, propiciando colheita em diferentes épocas e diversificando a produção.

“Os alunos irão conhecer um sistema de produção diferente. Pensamos na combinação de diferentes espécies, controle, acompanhamento de custos, análise ambiental e rentabilidade financeira, além do monitoramento de pragas e doenças no sistema. Futuramente, pretendemos apresentar a área aos pequenos produtores como uma alternativa sustentável e economicamente viável. Para isso, buscamos a apoio da Prefeitura para fazer essa ponte com o SEBRAE e os produtores familiares, para organizar cursos e oficinas de práticas agroecológicas e agricultura orgânica”, explicou.

Helio Sussumul kokekara, consultor do SEBRAE, colocou a expertise da instituição à disposição do Instituto Federal e do município. “O SEBRAE pode auxiliar com insumos, controle de pragas, técnicas de manejo já testadas e aprovadas. O SAF é um sistema que preserva o ambiente e você pode produzir alimentos até a floresta se formar. Com o passar do tempo, é possível diminuir o uso de pesticidas e defensivos que deterioram o solo e não fazem bem a saúde das pessoas. Essa é a tendência. Produzir alimentos mais saudáveis, com a utilização mínima de produtos químicos”. 

O secretário Hernandes Ortiz afirmou que além de produzir conhecimento aos universitários, este projeto poderá gerar renda para os agricultores familiares. “O desejo do prefeito Gilberto Garcia é levar desenvolvimento e tecnologia às áreas agrícolas, principalmente as pequenas propriedades. Este projeto cumpre essa missão e vamos fazer o que for possível para implantá-lo no município”.

O IFMS já iniciou a coleta de amostra do solo para o planejamento das próximas etapas e escolha das espécies que irão compor o SAF, de acordo com a aptidão agrícola das áreas e dos produtores rurais do município.

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.